segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Guia Descorchados - O Mais importante da América Latina - Elogia os Espumantes Brasileiros



Principal crítico de vinhos da América Latina avaliou rótulos brasileiros em passagem pela Serra Gaúcha, no Spa do Vinho

O jornalista e crítico de vinhos mais famoso da América Latina, o chileno Patricio Tapia, aprovou os espumantes brasileiros. Em recente passagem pelo Vale dos Vinhedos, Tapia avaliou os rótulos nacionais na encantadora paisagem do Spa do Vinho & Condomínio Vitivinícola. “É provável que os espumantes brasileiros ainda sejam desconhecidos pelo mundo. E isto é uma pena. A paisagem da Serra Gaúcha, exuberante e dramática, esconde alguns dos melhores espumantes da América do Sul. Borbulhas que, em muito pouco tempo, tiveram um avanço impressionante”, observa crítico.

A convite da Inner Editora e Eventos, que entre outras publicações edita a revista Adega, Tapia degustou mais de uma centena de espumantes nacionais para o Guia Descorchados. “A gastronomia, a paisagem e, sobretudo, os espumantes, muito superiores aos vinhos tranquilos, certamente serão um grande aporte à próxima edição do Descorchados que, pela primeira vez, incluirá uma seleção das borbulhas brasileiras”, anuncia Tapia. A publicação circula nos Estados Unidos, Canadá, México, China, Chile, Argentina, Uruguai e Brasil. No Canadá, por exemplo, é referência importante para o monopólio estatal que compra vinhos e espumantes do mundo todo.

publisher da Inner, Christian Burgos, trouxe Tapia à Serra Gaúcha com a intenção de realizar um amplo panorama da indústria brasileira no seu produto mais competitivo: o espumante. “Apresentar as joias da vitivinicultura de nosso país a Patricio Tapia e poder debater o passado, o presente e o futuro dos espumantes brasileiros foi um privilégio. Daquelas coisas que nos perguntamos por que não fizemos antes”, comenta Burgos. “Fico feliz de podermos contribuir para que os espumantes brasileiros ampliem seu reconhecimento e vendas também no exterior”, acrescenta o empresário, salientando que foi uma caminhada sólida e sem fogos de artifício até se chegar a estreia dos espumantes nacionais no Guia Descorchados.

Histórico

Formado em Jornalismo pela Universidade do Chile e diplomado em degustação e enologia na Faculdade de Enologia da Universidade de Bordeaux, Patricio Tapia é hoje o principal crítico de vinhos sul-americanos. Desde 1999, o chileno publica o Guia Descorchados, uma referência do que ocorre na América Latina, avaliando milhares de rótulos do Uruguai, Argentina e Chile. Tapia também escreve e degusta para as revistas Decanter e Wine & Spirits. 

Há quatro anos, Patrício e Inner são sócios na edição em português. Agora, os espumantes brasileiros entrarão definitivamente no radar de Tapia. “Dez anos acompanhando a indústria vitivinícola com a Adega, quatro anos produzindo o Descorchados em português junto com Patricio e quatro anos degustando uma ampla gama de vinhos brasileiros para a publicação do Guia Adega de Vinhos do Brasil nos trouxeram a este momento”, diz Burgos.

Fonte: .DOC Assessoria de Comunicação

sábado, 6 de dezembro de 2014

Vinhos brasileiros nos Estados Unidos? Sim, nova ação na rede de restaurantes Seasons 52!




Rótulos poderão ser degustados durante seis meses em 42 lojas de 18 estados. País é um dos mercados alvo do projeto setorial de exportação Wines of Brasil


Dois vinhos brasileiros (Miolo Chardonnay e Perini Macaw Tannat) figuram entre os rótulos selecionados para a Flights and Flatbreads, ação da tradicional rede de restaurantes Seasons 52, nos Estados Unidos. Funciona da seguinte forma: o cliente escolhe uma das três categorias (brancos, tintos e aclamados), cada uma com três rótulos, degusta os três vinhos e recebe uma taça cheia daquele que mais gostar. A bebida é acompanhada de um flatbread, espécie de pão chato feito de farinha, água e sal e sem fermento, com seis opções de recheio. Os preços dos combos variam de US$ 15 (categorias com os rótulos brasileiros) a US$ 20.

Os vinhos foram selecionados pelo master sommelier George Miliotes, que trabalha para o Grupo Dardens, proprietário da Seasons 52. A ação prossegue até maio de 2015 em 42 lojas distribuídas em 18 estados norte-americanos. O brand ambassador Daniel Márquez e representantes das duas vinícolas estão visitando os restaurantes para capacitar garçons e bartenders a respeito dos vinhos brasileiros.

“Ele (Miliotes) está muito confiante de que a nova categoria de vinhos brasileiros pode atingir sucesso no mercado americano. A Seasons 52 é uma rede de alto nível, e o consumidor tem muito interesse em conhecer novos vinhos”, avalia Márquez.

Roberta Pedreira, gerente do projeto setorial Wines of Brasil, desenvolvido pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), comemora. “É uma grande conquista para os vinhos brasileiros a entrada em uma rede tão importante. Os dois produtos estão representando o Brasil, e isso faz com que nos sintamos confiantes para continuar em 2015”, salienta.

Além do menu específico do Flights and Flatbreads, o consumidor receberá um cartão com o mapa do Brasil e suas regiões produtoras, além de informações sobre os vinhos aqui elaborados.

Fonte: Ibravin

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Pizzato Rosé Brut 2013

A Pizzato vem investindo forte em uma nova roupagem não só em seus rótulos, como também em todo o processo, sempre focando no aumento da qualidade dos seus vinhos. Isto vem sendo notado não só informalmente, como também formalmente em diversas degustações de renomadas revistas.

Hoje vou falar do Pizzato Rosé Brut 2013, sim, é um espumante safrado de uma vinícola Brasileira. Muito importante aqui falar um pouco sobre a história da Pizzato. Ainda na itália, a família cultivava vinhas e elaborava vinho em pequenas quantidades. Após a chegada ao Brasil, na década de 1880, após o estabelecimento e a subsistência, o amor e dedicação em trabalhar com uvas e vinhos falou mais alto. Assim, o cultivo de parreirais em maior extensão foi levado adiante. As atividades do imigrante Antonio foram continuadas por um de seus filhos - Giovanni - que, além da ocupação principal relacionada aos vinhedos, continuou produzindo vinho, mas apenas para consumo da família. A maior parte da produção de uvas passou a ser comercializada para vinícolas da região da serra gaúcha.
Seguindo o caminho do ‘Nono Giovanni’, o patriarca da família proprietária da Pizzato Vinhas e Vinhos, o Sr. Plínio Pizzato, sempre um apaixonado pela vitivinicultura, vem produzindo uvas desde a adolescência. Inicialmente a produção se dava em conjunto com o pai, na propriedade localizada em Monte Belo do Sul. A partir do final da década de 1960, passou a ser produzido na atual propriedade, localizada no Vale dos Vinhedos. Também manteve a tradição iniciada pelo Sr. Giovanni de produzir, com uma pequena parcela das uvas, vinhos para consumo próprio, vendendo a maior parte da produção de uvas para vinícolas da região. Em 1998, o antigo sonho do sr. Plínio e família – o de produzir vinhos finos para a comercialização – torna-se realidade a partir de um projeto conjunto com os filhos Flavio, Flávia, Jane e Ivo (in memoriam). Naquele ano, a Pizzato vinhas e vinhos é constituída juridicamente e materialmente, a partir de investimentos familiares. 

São 16 anos de vida, e os vinhos já possuem uma qualidade muito boa neste curto período de vida.

Vamos ao que achei deste espumante:

Visual: A garrafa está LINDA! Ficou realmente sensacional. A rolha não é personalizada para a vinícola e não traz nada escrito. Na taça mostra sensualidade. Coloração rosa claro bem atraente. Formou discreta coroa, com perlage bem fina, constante e por toda a taça.

Olfato: Aqui frescor é a palavra chave. Possui sinais sutis de fermento e brioche, provenientes do período de contato com as leveduras, mas as frutas sobressaem. A cor remete a frutas vermelhas, mas no nariz as amarelas são muito mais presentes, em especial damasco. Mais ao fundo um toque de cereja.

Paladar: Na boca também é bem refrescante. Ataque inicial com boa acidez, preenchendo toda a boca. Corpo médio. No palato as frutas vermelhas são mais presentes. É um espumante “guloso”, uso esta expressão para falar de vinhos que a vontade, depois de um gole, é dar outro, e outro, e outro ainda mais em Fortaleza, de frente pro mar, que é aonde estou neste exato momento. Harmonizei com Sushi e ficou muito bacana, mas é um espumante que tranquilamente pode ser bebido na beira da piscina ou praia mesmo sem nenhum alimento.

O que a Pizzato fala sobre seu espumante:

O espumante rosado da Pizzato vem sendo elaborado desde 2007, sempre pelo método tradicional e com colheita designada. Sempre seguiu as regras da indicação de procedência vale dos vinhedos e a partir da colheita 2013 as regras da denominação de origem vale dos vinhedos (DOVV). Elaborado a partir de uvas próprias cultivadas no vinhedo santa lúcia, no vale dos vinhedos. 

PROPOSTA DO PRODUTO: Método Tradicional (champenoise). Pelo menos 9 meses de contato com as borras (sur lies). Dosagem moderada. 1 mês de descanso pós-degorgement (pelo menos). Vinhedos próprios conduzidos em espaldeiras. Das melhores parcelas da propriedade no Vale dos Vinhedos.

NOTAS DE DEGUSTAÇÃO: De cor rosada, com perlage fina . Aromas de morangos, cerejas, frutas cristalizadas e leve tosta de pão. Frutado na boca, acidez e álcool equilibrados, de bom corpo, seco, refrescante e cremoso. * notas geralmente observadas.

HARMONIZAÇÃO COM PRATOS: Entradas, peixes e frutos do mar, carnes brancas e róseas, sobremesas com pouca doçura.

SERVIÇO: Para melhor apreciar os pontos fortes deste espumante, sugere-se que a temperatura da bebida esteja entre 4 e 7 ºC
.
DADOS DA COLHEITA: Garrafas: 5.000 garrafas, numeradas pela Pizzato e DOVV. Corte do Vinho Base: 85% Pinot Noir / 15% Chardonnay Dados Técnicos Álcool (% vol.): 12 Açúcar final (g/l) : 11 Acidez total (g/l ác.tartárico): 7,2 pH: 3,3 Tempo de borras (meses): 10 e aumentando por conta de degorgement em vários lotes.

VINHEDO: Nome: Santa Lúcia, Vale dos Vinhedos Região: Vale dos Vinhedos, Denominação de Origem Localização: 29°10’17.91”S, 51°36’05.59”O, 495 m.a.n.m. Arquitetura: Espaldeiras com orientação norte-sul. Guyot. Solo: De origem basáltica, franco, com pedregulhos e argiloso Colheita: Totalmente manual, em Janeiro de 2013

ELABORAÇÃO: As uvas foram submetidas a prensagem direta (os cachos foram prensados inteiros, sem desengace ou moagem). A clarificação foi a frio, posterior trasfega, com separação das borras do mosto a fermentar. A fermentação ocorreu em tanques de aço inoxidável por 17 dias, com temperatura controlada e uso de leveduras selecionadas. Posterior estabilização e filtração.

FORMAÇÃO DE ESPUMA: Em março de 2013 foi feito o assemblage/corte dos vinhos base; adição de leveduras para a 2ª fermentação na garrafa, permanecendo em contato com as borras até o momento do dégorgement.

DÉGORGEMENT: A partir de fevereiro de 2014, com tempos variáveis de contato com as leveduras/borras (sur lies) dependentes do lote de dégorgement.

Fica aqui mais uma sugestão para as festas de final de ano, como também para o verão! E se você encontrar não perca a oportunidade de comprar, lembre que são produzidas somente 5.000 garrafas!


In Vino Veritas!
Gustavo Kauffman (GK)

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Encontro de Vinhos em São Paulo - Os TOP 10, sim 10!!



Saiu a lista dos 10 melhores vinhos do último Encontro de Vinhos de 2014. No total foram 20 vinhos degustados, todos enviados pelos participantes do evento. Tive a oportunidade de ser um dos degustadores que elegeu os TOP 10. Importante lembrar que os 20 vinhos enviados são apenas uma amostra dos excelentes vinhos que foram servidos no Encontro. A degustação é realizada as cegas, ou seja, cada degustador dá notas para os vinhos sem saber que vinho está bebendo, vejam como ficam as garrafas:



Vamos então a lista:

Primeiro LugarBad Boy
Produtor: Jean Luc Thunevin, França
Importador: Casa do Porto

Segundo LugarColinas Reserva
Produtor: Soc. Agr. Colinas de São Lourenço, Portugal
Importador: Ideal Drinks

Terceiro LugarTampesta
Produtor: Finca de Los Vientos, Espanha
Importador: Casa do Porto

Quarto LugarQuinta da Meira DOC
Produtor: Quinta da Meira, Portugal
Importador: Galeria do Vinho

Quinto LugarToneles Tonel 22
Produtor: Bodega Los Toneles, Argentina
Importador: Punto Vino

Sexto LugarCuvée Constance
Produtor: Jean Luc Thunevin, França
Importador: Casa do Porto

Sétimo LugarQaramy Alto
Produtor: Viña Qaramy, Argentina

Oitavo LugarMandorla Pinot Grigio
Produtor: Mondo del Vino, Itália
Importador: Galeria dos Vinhos

Nono LugarVinhetica Tinto
Produtor: Vinhetica, Brasil

Décimo LugarTacuabé
Produtor: Ariano Y Hermanos, Uruguai
Importador: Galeria dos Vinhos

In Vino Veritas!
Gustavo Kauffman (GK)


Encontro de Vinhos – Os 5 melhores vinhos do ano!!!



O Encontro de Vinhos hoje já é um evento reconhecido nacionalmente! Depois de passar pelo Rio de Janeiro (13 de Março), São Paulo (21 de Abril), Ribeirão Preto (17 de Maio), Campinas (26 de Julho), Belo Horizonte (04 de Setembro) e Curitiba (08 de Novembro), neste ano teremos um “Gran Finale” com um evento novamente em São Paulo.

No último Encontro de Vinhos do ano, o Beto e o Daniel tiveram a genial idéia de fazer um painel com os vinhos que se destacaram nos TOP5 dos eventos durante todo o ano. Eu tive a oportunidade, ontem, de participar desta deliciosa degustação que ocorreu na Casa do Porto, tradicional importadora e loja de São Paulo.

Vamos ao resultado:

1º Lugar – Quinta da Romaneira Porto 10 anos Tawny
Produtor: Quinta da Romaneira
País: Portugal
Importador: Portus Cale




2º Lugar – Amarone Il Bosco Cesari 2006
Produtor: Cesari
País: Itália
Importador: Max Brands




3º Lugar – Sottano Reserva de Família Cabernet Sauvignon 2010
Produtor: Sottano
País: Argentina
Importador: MaxBrands




4º Lugar -Quinta da Romaneira Reserva 2009
Produtor: Quinta da Romaneira
País: Portugal
Importador: Portus Cale




5º Lugar – Mamertino Rosso
Produtor: Vasari
País: Itália
Importador: Italys Wine





Só vinhaço! Parabéns aos vencedores!

In Vino Veritas!


Gustavo Kauffman (GK)

Encontro de Vinhos – O último do ano e em São Paulo – Imperdível e é HOJE !!!!!


O Encontro de Vinhos está de volta à cidade de São Paulo com mais um evento. Dessa vez, depois de vários pedidos, faremos uma feira em Dezembro, para você poder abastecer a sua adega para as festas de final de ano.

Importadores, produtores brasileiros e internacionais estarão juntos oferecendo os melhores vinhos com descontos especiais durante o evento, para você poder comprar melhor e gastar menos.

Acompanhe por aqui, pois teremos duas listas de grandes vinhos: os Top10 e os “Campeões dos Campeões”, que será uma eleição somente entre vinhos que ficaram nos Top5 de todas as cidades por onde passamos. Ou seja, você poderá provar os melhores vinhos do mercado, todos juntos. O resultado sai em breve!!

Não perca. Aproveite a chance de conversar com os especialistas e ainda sair de lá abastecido. E se você comprar seu ingresso antecipado, você paga menos e recebe um voucher de R$ 30,00 (inteira) ou R$ 15,00 (meia) para gastar durante a feira.

Data: 04 de dezembro (HOJE!!!)
Local: Hotel San Raphael – Largo do Arouche, 150
Horário: 14h as 22h
Ingressos: R$ 80,00 inteira ou R$ 40,00 meia. Antecipado pelo site: R$ 70,00 (inteira) e R$ 35,00 (meia)




quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Wines of Chile anuncia os 15 melhores vinhos do 12º Annual Wines of Chile Awards


Brasil foi escolhido para receber edição histórica do AWoCA, realizado pela primeira vez fora do Chile

Em uma cerimônia de gala realizada em São Paulo no dia 2 de dezembro foram revelados os melhores vinhos do Chile no12º Annual Wines of Chile Awards(AWoCA), considerada uma edição histórica, já que aconteceu pela primeira vez fora do Chile. O Brasil foi o escolhido para sediar o principal concurso de vinhos do Chile e a escolha dos 15 vinhos melhoresrótulos chilenos ficou a cargo de corpo de juízes exclusivamente composto por sommeliers e especialistas brasileiros.

A honra máxima do AWoCA foi para a Viña Casas del Bosque, com o vinho Syrah Gran Reserva 2012, premiado na categoriaBest in the Show, que elege o melhor vinho do concurso.

O mesmo vinho também levou o prêmio na categoria Syrah. Nas categorias Premium White e Premium Red os ganhadores foram, respectivamente, os vinhos Amelia 2013 (Concha y Toro) e Armida 2009 (De Martino).

Os brancos premiados no concurso foram os rótulos Specialties Sauvignon Blanc Ocean Side 2014 (Viña Santa Carolina/categoria Sauvignon Blanc), Tarapacá Gran Reserva Chardonnay 2013 (Viña Tarapacá/categoria Chardonnay) e Single Vineyard Neblina Riesling 2011 (Leyda/categoria Other Whites).

Nas categorias destinadas aos vinhos tintos a Viña Falernia foi premiada em duas delas: na de melhor Pinot Noir, com oPinot Noir Reserva 2013, e na de melhor Carmenere, com o Carmenere Reserva 2013 Pedriscal Vineyard. A categoriaCabernet Sauvignon foi conquistada pela Viña Casa Silva com o rótulo Gran Terroir de los Andes – Los Lingues 2012 e a Other Reds foi para o vinho Tama Vineyard Selection Carignan 2013 (Viña Anakena).

O melhor Rosé do concurso foi o Gallardía del Itata Cinsault 2014, da Viña De Martino, o melhor Late Harvest foi para a vinícola Erasmo, com o Torontel Late Harvest 2009, e na categoria Blends o escolhido foi o vinho 5 Cepas 2013, da Casa Silva. O Espumante vencedor foi o Brut Nature, da Viña Morandé.

Os números do 12º AWoCA

 Este ano foram inscritos 639 vinhos de 92 vinícolas, um recorde de inscrições de amostras. Desembarcaram em São Paulo 2.652 garrafas, o que representa quase 2 mil litros de vinho. “O processo para entrada de vinhos no Brasil envolve uma série de etapas alfandegárias e o empenho das vinícolas em participar demonstra a importância do mercado brasileiro para a indústria de vinhos do Chile”, resume Claudio Cilveti, managing director da Wines of Chile.

Também impactante foi o número de medalhas conquistas pelos vinhos na 12ª edição do evento88 vinhos conquistaram ouro272 ficaram com medalhas de prata; e 203 levaram bronze, o que significa que 88% dos participantes conquistaram alguma distinção.

Aguardado pelas vinícolas e pelos produtores, o resultado do AWoCA tem grande influência no mercado, já que funciona como um “guia” para o trade – cadeia que envolve importadores, bares, restaurantes, lojas de vinhos, empórios, supermercados e hotéis – e para os consumidores, pois indica o que de melhor tem sido produzido no Chile.

De acordo com Claudio Cilvetimanaging director da WOC, foi uma decisão estratégica para a Wines of Chile realizar no Brasil o primeiro AWoCA fora do Chile. “O mercado brasileiro é um dos mais importantes para nossa indústria e a cada ano temos aumentado o investimento em ações aqui. Representamos quase metade do mercado de vinhos importados no Brasil, que ocupa a 5ª posição no ranking de nossas exportações.” O Chile lidera o mercado com 39,8% e é o primeiro no ranking desde 2002.

Para Oscar Paez, do ProChile Brasil, a escolha é um marco também para nosso país: “a escolha do Brasil para a primeira edição do AWoCA ‘internacional’ reforça o posicionamento do Chile em priorizar cada vez mais o mercado brasileiro. Nossas relações comerciais vêm se consolidando ano a ano e nossa meta é seguir aumentando a presença no setor de vinhos importados no Brasil”.

“Nossa diversidade de vinhos fica mais evidente a cada ano. O território chileno é riquíssimo, indo do mar até o gelo e passando pelo deserto. Essa variedade terroirs resulta em vinhos com expressão tão marcante como os que são apresentados no AWoCA, que representa um verdadeiro painel da evolução e da alta qualidade dos nossos vinhos”, celebra Claudio.

Os jurados brasileiros que escolheram os melhores vinhos do Chile em 2014 foram: Carlos Cabral (grupo Pão de Açúcar),Mário Telles (ABS-SP), José Luiz Pagliari (SBAV-SP), Diego Arrebola (eleito melhor sommelier do Brasil e Wine Director do Grupo Pobre Juan), Manoel Beato (grupo Fasano), Gabriela Monteleone (sommelière), Daniela Bravin (Bravin), Tiago Locatelli (grupo Varanda), Gabriela Bigarelli (Maní), Jorge Lucki (Valor Econômico), Marcelo Copello (Revista Baco) eDidú Russo (Blog do Didú).

“A escolha dos jurados considerou principalmente a representatividade de cada um em diversos segmentos do mercado. Por isso, além de sommeliers premiados e responsáveis pelas cartas de vinho de restaurantes renomados, participam formadores de opinião das duas principais associações do Brasil, representantes da mídia especializada impressa e digital, além de um grande nome do varejo brasileiro”, completa Cilveti.

Os vencedores do 12º AWoCA são:

Best in the Show
Syrah Gran Reserva 2012/Viña Casas del Bosque

Premium Red
Armida 2009/De Martino

Premium White
Amelia 2013/Concha y Toro

Other Reds
Tama Vineyard Selection Carignan 2013/Viña Anakena

Other Withes
Single Vineyard Neblina Riesling 2011/Leyda
  
Blends
5 Cepas 2013/Casa Silva

Rosé
Gallardía del Itata Cinsault 2014/De Martino

Sparkling Wine
Brut Nature/Viña Morandé

Late Harvest
Erasmo Late Harvest Torontel 2009/Erasmo

Cabernet Sauvignon
Gran Terroir de los Andes - Los Lingues Cabernet Sauvignon 2012/Casa Silva

Carmenere
Carmenere Reserva 2013 Pedriscal Vineyard/Falernia

Pinot Noir
Pinot Noir Reserva 2013/Falernia

Syrah
Syrah Gran Reserva 2012/Viña Casas del Bosque

Chardonnay
Tarapacá Gran Reserva Chardonnay/Viña Tarapacá

Sauvignon Blanc
Specialties Sauvignon Blanc Ocean Side 2014/Santa Carolina


Infelizmente eu não pude estar presente neste evento tão especial e explico: Ontem foi meu aniversário de Casamento. Todas as honras para minha amada esposa, que tanto me atura, companheira de todas as horas e a quem eu tanto amo! Parabéns para nós Camilla Kauffman!

A lista com os ganhadores das Medalhas de Ouro e de Prata pode ser conferida no site da CH2A Comunicação:http://www.ch2a.com.br/site/SecaoNoticias/lista.php

Também é possível ver o vídeo dos dias de degustações do 12º AWoCA: https://www.youtube.com/watch?v=JijZxEDtXkQ

In Vino Veritas!

Gustavo Kauffman (GK)

Don Giovanni Nature – Mais um belo espumante nacional!!

Com o verão e as festas de final de ano chegando, nada melhor do que um belo espumante. Como sabemos o Brasil vem, ano a ano, evoluindo com estes vinhos.

Hoje falaremos da Don Giovanni e de seu espumante Nature. Qual o motivo de se chamar “Nature”? Muitos sabem, outros não, sempre é bom recordar. Isto na verdade é uma classificação diretamente relacionada ao teor residual de açúcar no espumante. Falei em detalhes sobre isto neste post. O Nature permite de Zero a 3 gramas de açúcar residual por litro de espumante. Veremos adiante que o da Don Giovanni pozzui zero.

Distante 12 km do centro de Bento Gonçalves, no distrito de Pinto Bandeira, em altitude de 720m, a “granja” Don Giovanni, como é chamada pelos seus proprietários, tem uma história de elaboração de vinhos de mais de 40 anos. Antes de ser adquirida pelo casal Ayrton Giovannini e Beatriz Dreher Giovannini, a propriedade pertencia à Dreher S.A., indústria de bebidas estabelecida na região em meados do Século XX, e que pertencia aos avós paternos de Beatriz. A Dreher deixou fortes influências na história econômica e social do município de Bento Gonçalves.

Hoje a quarta geração da Família se dedica a produção de bebidas de alta qualidade. Prova que, por trás da marca Don Giovanni, existe tradição e conhecimento na elaboração de vinhos.

Atualmente, o “terror” da região de vinhos de montanha de Pinto Bandeira está certificado com a Indicação de Procedência de Pinto Bandeira. Para tal, estudos foram realizados pela Embrapa Uva e Vinho e a Universidade de Caxias do Sul (RS) afim de revelar as especificidades técnicas de solo, geologia, clima e relevo. Todas as vinícolas estão localizadas em meio a uma paisagem de topo de montanha, com mata nativa, parreirais se uvas viníferas e edificações construídas na época da Colonização Italiana.

Vamos ao que achei deste espumante:

Visual: Garrafa tradicional com elegante e moderno rótulo já indicando que o espumante permaneceu 24 meses em contato com as leveduras, o que lhe atribui mais complexidade. A Don Giovanni ainda possui um espumante que permanece 36 meses (Série Ouro Brut) e outro com 48 meses (Dona Bita Brut). Na taça o vinho estava jovem, limpo, uma coloração palha bem claro. O espumante não é safrado, mas pela coloração é de uma safra ou safras mais recentes. O perlage é bem fino e intenso, com boa formação de espuma.

Olfato: Primeira impressão é complexidade e jovialidade. Um vinho que mostra potencial gastronômico, sem perder uma cara jovial e refrescante como, por exemplo, beira de piscina. Frutas brancas (abacaxi, melão), um toque de lima da pérsia, agregados com aquele delicioso toque de brioche levemente amanteigado.

Paladar: Mesma primeira impressão do exame olfativo. Refrescante, bom volume, cremoso, boa acidez e estrutura, se mostrando um espumante versátil. Vai muito bem com entradas mas com certeza também encara um salmão mais gorduroso. O seu final mostra mais o lado cítrico e alguma mineralidade.

O que a vinícola fala sobre seu espumante:

Graduação alcoólica: 13% Vol.

Uvas: As uvas que compõem o vinho base são Chardonnay (60%) e Pinot Noir (40%), ambas cultivadas em vinhedos próprios na localidade de Pinto Bandeira pelo sistema de condução em Espaldeira com uma produção média de 2, 8 kg /planta. Os Vinhedos estão situados a altitude superior a 620 m, originando uvas de pronunciada frescura e acidez, condição excelente para elaboração de "vinho base". As uvas foram colhidas nas primeiras horas do dia, evitando as horas quentes, preservando assim os aromas típicos de cada variedade.

Vinificação: Ambas as variedades foram vinificadas separadamente mediante a adição de leveduras e sob rigoroso controle de temperatura. O Pinot Noir que é uma cepa tinta foi vinificado sem contato com as partes sólidas, originando dessa forma um vinho branco que após foi mesclado junto ao vinho chardonnay compondo assim o assemblage que denominamos de vinho base. Para esse espumante especial foi usado somente o mosto flor extraído de cada variedade em separado. Esse espumante é elaborado pelo processo champenoise onde são adicionadas leveduras selecionadas e a champanhização que leva em média 3 meses, foi realizado em câmaras com temperatura de 12ºC conferindo dessa forma excelente perlage. O envelhecimento onde acontece a autólise se deu em caves climatizadas a 16ºC. O diferencial desse produto é que não adicionamos licor de e expedição no processo de degourge sendo assim classificado como Nature, seja, um espumante obtido pelo processo champenoise onde não foi adicionado nem um tipo de Liqueur de Dosage, foi completado com o próprio espumante apresentando assim menos de uma grama/litro de açúcar.

Notas de degustação: De coloração amarelo palha com nuances douradas e excelente brilho. No olfato é complexo, expressando aromas de envelhecimento como torrefação, mel e toques de frutado com notas de frutas cítricas como abacaxi, maçã, melão e traços de pão tostado, mel, abacaxi maduro e bombom. No paladar apresenta grande volume de boca, refrescante, acidez marcante, realce dos gostos cítricos que se apresentam harmonizados com as notas de envelhecimento. Apresenta um final de boca muito agradável e grande cremosidade que aliado ao frescor torna-o muito elegante e atraente.

O vinho eu comprei na loja Sommelier Vinhos em Porto Alegre que, por sinal, recomendo a visita. Na ocasião paguei R$45,00 em uma promoção. O preço do vinho hoje está em R$55,00 e, acredite, ele vale mais!

In Vino Veritas!


Gustavo Kauffman (GK)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...